O Caso da Mãe PM e a Bíblia Hebraica

0
1598

O caso da policial à paisana que matou um bandido ganhou repercussão na mídia nacional, gerando algumas reações bastante controversas, tanto de apoio quanto de crítica. Mas, como a Bíblia Hebraica vê a questão?

Para entender, vamos aos fatos: O vídeo mostra um grupo de mães com suas filhas, na porta de uma escola em Suzano, SP. Em dado momento, surge um rapaz que aponta uma arma na direção das crianças.

Nesse momento, a mãe policial saca a arma e dispara três vezes, acertando o bandido, que cai no chão. Após o bandido estar caído no chão, a PM não faz mais nenhum disparo, limitando-se a apontar a arma para ele e, com o pé, virá-lo de costas, mantendo-o rendido, enquanto afasta dele a arma. O bandido chegou a receber atendimento, mas veio a óbito pouco depois.

Avaliamos a conduta da PM da seguinte forma:

1) Legítima Defesa
A primeira coisa que precisamos entender é que não só não é pecado matar em legítima defesa, como a Bíblia Hebraica permite isso explicitamente, dizendo:

“Se o ladrão for achado roubando, e for ferido, e morrer, o que o feriu não será culpado do sangue. Se o sol houver saído sobre ele, o agressor será culpado do sangue.” (Ex. 22:2,3)

Na ilustração acima, você não tem como saber se uma pessoa que entrou na sua casa à noite quer apenas roubar um objeto ou deseja te fazer o mal. Logo, é totalmente permitido matar o invasor, para se defender.

Porém, a Bíblia Hebraica condena o matar alguém que não oferece risco. É o caso do “sol sair sobre ele”. Se está claro que não há intenção de fazer mal, então não se pode executar uma pessoa porque ela tem o direito de ser julgada.

No caso da mãe PM, repare em como ela agiu: No momento em que o bandido apontava sua arma para crianças, ela disparou contra ele. Depois que já estava no chão, rendido, ela não efetuou mais nenhum disparo.

Portanto, está corretíssima a conduta da mãe PM segundo a Bíblia Hebraica.

2) Proteção do Mais Fraco
Outro ponto importante a ser avaliado é o fato de que as Escrituras não só são favoráveis, como encorajam que nós protejamos os mais fracos. Há várias passagens que falam disso como, por exemplo:

“Livrem os fracos e os pobres; libertem-nos das mãos dos ímpios.” (Sl. 82:4)

Novamente, a mãe PM agiu de forma corretíssima. Ela enfrentou o bandido para poder defender as crianças, protegendo-as do perigo.

3) Omissão
Outro ponto que muita gente não sabe é o que a Bíblia Hebraica diz acerca de quem, por omissão, permite que alguém sofra um mal:

“Liberte os que estão sendo levados para a morte; socorra os que caminham trêmulos para a matança! Mesmo que você diga: “Não sabíamos o que estava acontecendo! ” Não o perceberia aquele que pesa os corações? Não o saberia aquele que preserva a sua vida? Não retribuirá ele a cada um segundo o seu procedimento?” (Pv. 24:11-12)

“Mas, se a sentinela vir chegar a espada e não tocar a trombeta para advertir o povo e a espada vier e tirar a vida de um deles, aquele homem morrerá por causa de sua iniqüidade, mas considerarei a sentinela responsável pela morte daquele homem’.” (Ez. 33:6)

Se nós temos a condição de livrar um inocente da morte e não o fazemos, seremos cobrados pelo Criador. Mais um ponto a favor da mãe PM, ela agiu de forma a proteger os inocentes, que poderiam ter sido mortos pelo bandido, como tantas outras vítimas de latrocínio neste país.

Conclusão
Não só não houve transgressão por parte da mãe PM, como também o comportamento dela foi louvável biblicamente, pois além de não ter cometido nenhum excesso, agiu de forma a proteger os inocentes do perigo imediato da morte.

É triste que um ser humano morra? É claro que é. O Eterno não deseja que ninguém morra, mas sim que o iníquo se arrependa de seus caminhos: “Desejaria eu, de qualquer maneira, a morte do ímpio? diz o Senhor ETERNO; Não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva?” (Ez. 18:23)

Infelizmente, porém, quem procura acha. O bandido fez suas escolhas, foi por um caminho de trevas e encontrou a morte. O seu sangue está sobre sua própria cabeça e ele só tem a si mesmo pra culpar pelo ocorrido. Ele apenas colheu o que plantou.

Bendita seja a mãe PM, que impediu que as más escolhas do bandido pudessem ceifar a vida de crianças.

Que o Eterno possa abençoar as mãos daqueles que protegem as vidas de nossos inocentes!

Facebook Comments