Ideologia ou Idolatria?

7
3091

“Que não levantes os teus olhos aos céus e vejas o sol, e a lua, e as estrelas, todo o exército dos céus; e sejas impelido a que te inclines perante eles, e sirvas àqueles que o ETERNO teu Senhor repartiu a todos os povos debaixo de todos os céus.” (Dt. 4:19)

No mundo moderno, é cada vez menos comum encontrar pessoas que literalmente sirvam o sol, a luz e as estrelas, dado o entendimento científico que se tem do que são essas coisas. Porém, isso não quer dizer que a idolatria tenha deixado de existir. Ela apenas tornou-se mais sofisticada.

E uma das maiores idolatrias que vejo nos dias de hoje é bastante sutil: A idolatria ideológica.

A Ideologia a Qualquer Preço

Tenho alguns conhecidos que são anarco-capitalistas. Isto é, defendem que todo tipo de Estado é ruim. É um pensamento interessante em muitas coisas, principalmente quando vemos no Brasil o Estado parasitando a sociedade de uma forma voraz e corrupta.

Porém em dada situação, esses amigos comentavam um documentário sobre uma grande empresa na África. Esse documentário mostrava crianças negras sendo exploradas como mão-de-obra quase escrava na mineração de metais pesados, que são tóxicos ao ser humano. As crianças se queixavam de irem dormir com fome e com muitas dores de cabeça. Nas redes sociais, essa discussão se transformou num debate sobre porque é preciso um Estado para limitar essas empresas.

Esses conhecidos passaram a literalmente justificar a empresa, dizendo que era melhor que essas crianças tivessem trabalho e que a empresa fazia algo positivo. Outros chegaram ao cúmulo de dizer: “É graças ao trabalho infantil que não existe fome nesses lugares!”

Mas a questão que quero aqui abordar não é o tema em si, mas a postura desses amigos, que é algo muito comum: Ao invés de enxergarem que toda ideologia é limitada e buscarem soluções, as pessoas passam a defender a ideologia com unhas e dentes, chegando até às raias do absurdo, para não abdicar de seus ídolos ideológicos.

Outro exemplo comum: Um colega de Facebook fazia críticas a um dado político, que era de direita, que fazia uso teoricamente legal, mas moralmente questionável, de uma dada verba pública.

Meses depois, um determinado político de esquerda, pertencente ao partido político ao qual ele é filiado, fez exatamente a mesma coisa. Ele passou a defender, dizendo que não havia ilegalidade, que todo mundo fazia isso, que era perseguição da mídia, etc. Novamente, a ideologia falou mais alto do que a noção de certo e de errado.

Sugira a essas pessoas lerem alguém que pensa diferente, então, e elas se armam e se ofendem como se você tivesse sugerido que a pessoa fosse participar de uma orgia. “Fulano é da ideologia contrária! Não lerei! São pessoais ruins, cruéis, vis, burras, enganadoras, etc. etc.” – predicados não faltam, para que a pessoa nem ao menos leia para tentar avaliar o mérito da ideia. Poderiam se beneficiar de Maimônides, que dizia: A verdade é a verdade, independente de quem a diga.

Idolatria à Ideologia Religiosa

O mesmo pode se dizer de ideologias religiosas. Um exemplo disso está na bênção judaica diária de homens agradecendo ao Eterno por não se ter nascido mulher. Felizmente, várias vertentes judaicas abandonaram essa prática, entendendo que era fruto de sociedades machistas do passado e que não cabe no mundo de hoje.

Mas, algumas pessoas preferem buscar explicações das mais mirabolantes para tentar virar do avesso o que diz a simples frase, porque querem a todo custo justificar sua ideologia ao invés de ver falhas nelas.

Eu poderia continuar citando exemplos o dia todo. E não pense o leitor que me refiro especificamente a pessoas de esquerda, de direita, cristãs, judias, religiosas, ateístas, ou qualquer coisa que valha. Esse tipo de idolatria não escolhe a ideologia. Diz respeito a como a pessoa lida com a ideologia, independente de qual seja ela.

Vejo algumas pessoas diante de suas ideologias tal como Israel perante o bezerro de ouro, dizendo: “Elé Elohékha” – Este é o seu deus!

Foco no Eterno

Ter uma ideologia – ou pertencer a um grupo ideológico – não é algo ruim. Pelo contrário, pode ser até muito positivo. O problema está na maneira como a pessoa se relaciona com a ideologia.

Será que ela vê a ideologia como algo que pode ter muitas virtudes, mas também tem defeitos ou limitações? Será que compreende que quem pensa diferente não é o demônio e pode ter méritos no que diz? Será que está disposta a “pensar fora da caixa”? Será que sacrificou sua objetividade – ou até sua própria identidade – em nome da ideologia? Esses são os sinais perigosos, de que a ideologia tomou o lugar de uma divindade!

É importante lembrar coisas fundamentais: O Eterno é o único perfeito. E tudo que é humano – ideologias inclusive – é limitado e imperfeito. Uma ideologia não deve definir você nem governar sua vida, seja ela política, filosófica ou religiosa. Esse lugar compete só ao Eterno.

Fanatismo ideológico, como todo fanatismo, é uma forma sutil de idolatria. E, como tal, significa que o foco está errado.

Lembre-se do conselho das Escrituras: “O ingênuo acredita em tudo o que se diz; o prudente vigia seus passos.” (Pv. 14:15)