Como amar, se nem gostar eu consigo?

0
2041

“Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o ETERNO.” (Levítico 19:18)

Ah, o amor ao próximo! Muitos pensam que nenhum outro mandamento da Bíblia é tão difícil de por em prática!

Afinal, como podemos amar alguém de quem nem ao menos gostamos?

Em partes, isso tem a ver com uma ideia equivocada de amor. Pensamos no amor enquanto sentimento, e não enquanto uma prática.

A maior prova de que o amor ao próximo não é um sentimento está justamente em ser um mandamento.

Mandamento é literalmente uma ordem ou um comando. Não faz sentido, portanto, que o amor ao próximo seja sentimento. Afinal, desde quando você consegue controlar aquilo que sente?

A resposta então está também no termo original usado para “amar”. Amar (ahav) no hebraico deriva de dar ou doar (hav). Isto é, o amor ao próximo não é sentimento, mas sim doação.

Você não precisa gostar de uma pessoa, nem ter sentimentos por ela, para se doar a essa pessoa.

E que tipo de doação estamos falando? O resto do versículo nos ensina: Como nós nos doamos a nós mesmos. Isto é, devemos cuidar do outro como cuidaríamos de nós.

Esse mandamento não é para as pessoas de quem gostamos, pois é muito fácil você doar do seu tempo, doar da sua ajuda, doar da sua atenção, ou mesmo doar recursos financeiros para alguém de quem você gosta. Você não precisa de uma ordem para isso.

Porém, não é natural para nós fazermos coisas em prol de quem nós não gostamos, ou a quem somos indiferentes. E é aí que entra o ensinamento bíblico!

Não é tarefa fácil, então para te ajudar preparei um simples roteiro de apenas cinco passos que ajuda a exercitar a prática:

1) Coloque-se no lugar do outro. Como você se sentiria ao passar por aquela situação?

2) Tente entender as razões do outro. Algo pode ter contribuído para ele passar pelo que está passando.

3) Do que ele precisa no momento? Atenção? Compreensão? Afeto? Repreensão? Mantimento?

4) O que você gostaria que fizessem por você caso estivesse naquela situação?

5) Existe algo que está ao seu alcance fazer, sem que isso te prejudique?

6) Você conhece alguém que pode ajudá-lo?

7) Não bata no peito, não alimente seu orgulho nem cobre do outro aquilo que você fizer.

Lembre-se ainda de duas coisas: Primeiro, servir ao Criador é um privilégio que nos foi dado. Devemos por isso nutrir gratidão.

Segundo: Não devemos nos sentir mal com relação aos nossos sentimentos. Não é por eles que seremos julgados, afinal não estão no nosso controle. Seremos sim avaliados por nossas ações.

Se alguém de quem você não gosta precisa de você, não fique se sentindo conflitado nem com peso na consciência! Agradeça ao Eterno pela oportunidade que você está tendo de realmente por em prática uma ordem dEle.

Lembre-se: “O justo viverá por sua fidelidade.” (Habacuque 2:4b)